CONSULTÓRIO FLORESTA

Como prevenir a Fitóftora no sobreiro em áreas sem sintomas

Phytophthora cinnamomi (FITÓFTORA) é um patogénio muito agressivo que vive no solo e ataca as raízes das plantas causando podridão radicular.

As medidas de prevenção pretendem minimizar o risco de disseminação do patogénio a zonas não infestadas, e estão relacionadas com a redução das movimentações de solo e água, arborizações e boas práticas de gestão, pelo que se recomenda:

  • Evitar a movimentação de solo proveniente de zonas afectadas, em particular, em solos húmidos.
  • Ao realizar qualquer intervenção cultural ou de infraestrutura, começar pelas zonas assintomáticas, passando depois às zonas afectadas.
  • Não fazer gradagens ou lavouras que possam danificar as raízes, fragilizando as árvores. Recomenda-se a utilização de corta-matos.
  • Promover a drenagem dos solos.
  • Manter faixas de mato em zonas declivosas para limitar a erosão e promover a infiltração de água.
  • Manter espécies ripícolas nos cursos de água e zonas encharcáveis para reduzir a humidade no solo e a erosão.
  • Nas reflorestações e/ou adensamentos utilizar sempre plantas de azinheira e sobreiro sãs ou em alternativa fazer sementeira com bolotas recolhidas na mesma região, em áreas sem sintomas de doença evitando solos compactados, mal drenados e pouco profundos.
  • Evitar cargas pecuárias excessivas.
  • Evitar o cultivo de espécies susceptíveis a FITÓFTORA, tais como as tremocilhas, dado que são potenciais multiplicadores do patogénio.
  • Promover a fertilização cálcica, fosfórica e potássica dos solos que melhora a produção e pode reduzir a população do patogénico.
  • Promover uma gestão adequada do coberto arbóreo realizando podas selectivas e controladas, evitando podas intensas que fragilizam as árvores.
Extrato de artigo de Ana Catarina Moreira, in Revista Voz do Campo