CONSULTÓRIO FRUTÍCOLA

MACIEIRA . Em que casos se justifica a adubação com magnésio

O magnésio é um dos constituintes da clorofila, desempenhando por isso um papel muito importante na fotossíntese. As necessidades deste nutriente são relativamente fracas, em comparação às do potássio, mas não devem ser ignoradas, sob pena de surgirem situações de carência.

A carência deste nutriente é muito frequente em todas as espécies arbóreas, especialmente nas pomóideas e com maior incidência na Macieira.

Justifica-se usar a adubação com magnésio nos seguintes casos:

  • Na presença de sintomas de carência caracterizada em Mg, ainda que esporádica;
  • Nos terrenos em que se observam carências deste nutriente;
  • Quando a analise do solo ou das folhas indique uma alimentação insuficiente em Mg;
  • Nos solos em que se aplicaram adubos potássicos em doses consideráveis.

Como corrigir a carência de magnésio:

Um nutriente a aplicar no período do desenvolvimento do fruto, com um grande consumo nos meses de Junho-Julho-Agosto. As necessidades em MgO são da ordem dos 25 a 35 kg por hectare.

  • Nos solos ácidos, realizar correcções calcárias com calcários magnesianos ou dolomíticos, nas doses recomendadas pelos laboratórios de análises de solo.
  • Nos solos com baixos teores de Magnésio, aplicá-lo sob a forma de sulfato de magnésio no período do Outono ou no final do Inverno, localizando-o em profundidade, na dose de 100 a 200 kg por hectare de Sulfato de Magnésio.
  • Nos pomares carenciados, realizar pulverizações, após a queda das pétalas e até ao início de Julho, com sulfato de magnésio a 16 % (2 kg por 100 litros de agua em duas ou três aplicações) ou nitrato de magnésio (1 kg por 100 litros de água).
Extrato de artigo de António Guerra, in Revista Voz do Campo