Uncategorized

MILHO . Considerações importantes na cultura

O milho (Zea mays L.) é uma espécie que pertence à família Gramineae/Poaceae, com origem no teosinto, Zea mays, subespécie mexicana (Zea mays ssp. mexicana (Schrader) Iltis, há mais de 8000 anos e que é cultivada em muitas partes do Mundo.

A sua grande adaptabilidade, representada por variados genótipos, permite o seu cultivo desde o Equador até ao limite das terras temperadas e desde o nível do mar até altitudes superiores a 3600 metros, encontrando-se, assim, em climas tropicais, subtropicais e temperados. Esta planta tem como finalidade de utilização a alimentação humana e animal, devido às suas elevadas qualidades nutricionais, contendo quase todos os aminoácidos conhecidos, com excepção da lisina e do triptofano.

No contexto agrícola português, o milho é uma das culturas arvenses mais importante, sendo a que mais explorações agrícolas envolve e segundo a Associação Nacional de Produtores de Milho e Sorgo desde 2006 tem ocupado uma área entre 130 a 150 mil hectares em todo o país. A área destinada à cultura pode aumentar, em consequência do acréscimo da área de regadio e, para a qual, contribuirá o projeto de Alqueva (Alentejo), tendo esta região de Portugal um grande potencial por explorar e, dependendo dos preços e políticas do mercado europeu e mundial, pode contribuir para um acréscimo na produção nacional, capaz de reduzir o volume das importações deste cereal.

Atualmente, apesar do milho ser o cereal mais produzido em Portugal, o que se produz cobre pouco mais de 32 % das necessidades do mercado interno (Anuário Agrícola). O milho é uma cultura associada quer à produção de silagem a qual é de excelente qualidade, quer à produção de grão, afirmando-se atualmente como uma cultura com enorme potencialidade produtiva da agricultura portuguesa de regadio, tendo um contributo importante para a vitalidade das economias regionais e nacional. A introdução de novas variedades melhor adaptadas às nossas condições edafoclimáticas, bem como práticas culturais mais adequadas (adubações, tratamentos fitossanitários, etc.) têm conduzido a um aumento significativo da produtividade da cultura no nosso país, estando os indicadores de produtividade entre os melhores a nível mundial.

Extrato de artigo da Universidade de Évora, in Revista Voz do Campo